Vigilante ou vigia, qual a diferença?

Vigilante ou vigia, qual a diferença?

O mercado de prestação de serviços, está cada vez mais comprometido com os custos e muitas empresas estão tentando sobreviver, então nos deparamos com algumas manobras que tem objetivo de descaracterizar o que de fato são serviços profissionais.

Em um mercado estressado por custos altos, sempre tem alguém comprando alguma coisa para baixar custos. Muito bem, o golpe está aí só cai que quer!

É importante ressaltar que para entendermos a diferença entre os dois profissionais, é necessário entender o que é cada um.

Vigilante:

Profissional Habilitado, de acordo com os termos do Art.15 da Lei 7.102/89 e dos artigos 15,16,17,18,19 e 20 do Decreto 89.056/83 e possuidor da Carteira Nacional do vigilante nos termos da Portaria 891 de 12 de agosto de 1999.

O profissional capacitado pelo curso de formação, empregado de empresas especializadas, registrado no DPF e responsável pela execução das atividades de segurança privada, nos termos do inciso do Artigo 2º da portaria 3233/12.

Para se habilitar, tem muitas exigências desde conhecimento com armamento e defesa pessoal até exames psicotécnicos.

Dentre as suas obrigações, podemos destacar algumas:

  • Manter o livro de ocorrências atualizado com o registro e o controle dos fatos observados e anormalidades;
  • Não permitir aglomeração de pessoas no seu posto;
  • Ao dar informações ser o mais sucinto e cuidadoso possível;
  • Realizar os primeiros socorros, se necessário;
  • Se atentar em cumprir as normas e procedimentos, além das obrigações contratuais;
  • Estar à disposição imediata da polícia os delinquentes ou pessoas pegas em flagrante;
  • Fazer rondas de inspeção de vigilância e segurança nas áreas internas da base de operação, observando atentamente quaisquer movimentações e/ou atitudes suspeitas, a fim de inibir ação delituoso e preservar a área, bem como proteger a integridade física das pessoas presentes em seu local de atuação.

Esse profissional pode realizar a revista moderada tanto de funcionários, visitantes e prestadores de serviço, sendo necessário apenas ser do mesmo sexo do vigilante, solicitando autorização prévia para esta finalidade, orientando-os quanto ao posicionamento a ser adotado, utilizando bastão detector de metal, pedindo a apresentação dos volumes, a fim de que possa cumprir os procedimentos de segurança adotados pela empresa e, garantir a identificação de possíveis armamentos e/ou objetos suspeitos. Ele pode atuar como auxiliar da segurança pública, zelando pela ordem, exercendo as suas atividades com cortesia, honestidade e coragem.

Ao Vigilante é garantido o direito de porte de arma e direito à prisão especial segundo os termos Art. 19 da Lei 7.102/83 e Incisos II e VII do art. 163 da Portaria 3233/12.

Enquanto isso o vigia é

Oriundo de uma variação do serviço de portaria e controladores de acesso, ele é um profissional que NÃO é necessário possuir curso de formação, não é empregado de empresa especializada em segurança privada, além de não ser registrado no DPF, nos termos do inciso III do Artigo 2° da Portaria 3233/12. E ainda não possui porte de arma, nem mesmo direito à prisão especial, quando em serviços. Atualmente, não temos uma previsão legal ou convencional de tal função, em suma, o vigia é o responsável pela segurança de bens em um determinado local, e não pode fazer rondas ou revistas, pois isso caracteriza a função do vigilante.

Distinção

Apesar de serem constantemente comparados, as distinções entre as funções são claras:

O Vigilante se destina a resguardar a vida e o patrimônio das pessoas, exigindo porte de arma e requisitos de treinamentos específicos, como decorre a regulamentação contida na Lei 7.102/83, exercendo função assemelhada aos policiais.

Enquanto o Vigia se destina apenas à guarda do patrimônio ou controle de ingresso de pessoas e bens.

O custo do serviço de vigilância é de aproximadamente 40% maior que o vigia, ou seja, cada um vale quanto executa.

Para escolher qual dos dois é mais adequado a sua necessidade, é necessário analisar:

Qual o cenário atual?

Qual a maior dificuldade?

Qual função atende melhor ao que seu empreendimento precisa?

Ao responder essas três perguntas se torna mais claro qual profissional é o ideal.

Ao decidir, opte por contratar um profissional para fazer a segurança de sua empresa, condomínio ou seus familiares, pense no que lhe oferecemos nesse blog, pois quem contrata errado paga duas vezes.

O Grupo Alpha Secure que tem como princípio a legalidade, respeito aos seus colaboradores e cuidado com seus clientes. Aqui, temos gente qualificada e acompanhamento diário de nossos profissionais.

Quer conhecer mais sobre nossos serviços? Entre em contato conosco.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Outros conteúdos:

Veja por categoria: